segunda-feira, 20 de outubro de 2014

1959 - Escândalos de uma faquiresa


Suzy King desfila pelo Rio de Janeiro montada em um cavalo e acompanhada por um falso índio, de peruca e trajando novo biquíni sumaríssimo
Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo

Em março de 1959, Suzy King iniciaria sua primeira exibição de faquirismo diante do público carioca, na Galeria Ritz, em Copacabana.
Seu jejum deveria durar cento e dez dias, após os quais ela teria batido o recorde feminino mundial e seria reconhecida como a grande dama do faquirismo.
No dia em que iniciaria seu jejum, Suzy King resolveu, para efeito de publicidade e também na intenção de se despedir da cidade antes de permanecer tantos dias fechadas em uma urna, cavalgar pelas principais ruas do centro, numa referência explícita a Lady Godiva, inclusive usando uma peruca, alusão aos longos cabelos da original. Suzy King trajava na ocasião novo biquíni sumaríssimo de sua coleção e tinha em sua companhia um sujeito vestido de índio, que devia conduzir o cavalo e lhe proteger caso algo desse errado.
E algo deu errado, o que fez apenas com que o falso índio fugisse e lhe deixasse entregue à sua própria sorte.
Depois de algum tempo rodando pela cidade, quando passava pela Avenida Rio Branco, Suzy King notou que uma multidão começava a cercá-la. Assustada, mal teve tempo de reagir quando avançaram contra ela, lhe derrubando do cavalo e arrancando as peças que vestia.
Como se deu o fim da confusão não se sabe bem, pois nos relatos dos jornais há pequenas variações. O que há de certo é que Suzy King parece ter sido auxiliada por alguns transeuntes e policiais e conseguiu, vestindo uma roupa que haviam lhe emprestado, tomar um táxi e seguir até a Delegacia.
O desfecho de seu jejum, alguns meses depois, não seria menos tumultuado.

In March 1959, Suzy King did her first public fasting at Galeria Ritz, in Copacabana. It was planned to last 110 days and at the end of it, Miss King would have broken the world record and become the grand dame of fakirism.
On the very day she was to start the big feat, Suzy thought she would do a little publicity stunt to increase her chances of a good paying public. She got hold of an old horse, borrowed a long blonde wig and wearing a skimpy bikini got on horse back to wave goodbye to city dwellers reminiscent of Lady Godiva. She also hired a man – disguised as an ‘Indian’ - to lead the horse through the city’s main streets.
All was going well until Suzy as Lady Godiva reached Avenida Rio Branco – the heart of the financial district. A small crowd suddenly became a big crowd and when the ‘Indian’ realized the mob was not impressed by Lady Godiva and was about to gang-rape her he took off and left poor Suzy by herself. After much push and shove, Lady Godiva, having her wig half destroyed was finally rescued by a pious soul that took her inside one of the buildings protecting her from a humiliating lynching. Even after such a brouhaha, Suzy went ahead with her public fasting.





A Notícia, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional


Correio da Manhã, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional











Diário Carioca, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional






Diário da Noite, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional


Diário de São Paulo na TV, 14 de março de 1959
Fonte: Banco de Conteúdos Culturais da Cinemateca Brasileira


Folha da Manhã, 14 de março de 1959
Fonte: Acervo Folha





Gazeta de Notícias, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional




Jornal do Brasil, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional






Luta Democrática, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional





O Dia, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional



O Globo, 14 de março de 1959
Fonte: Acervo O Globo









O Jornal, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional





Última Hora, 14 de março de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional


Miami Daily News-Record, 15 de março de 1959
Fonte: Newspaper Archive





O Globo, 18 de março de 1959
Fonte: Acervo O Globo




Última Hora (SP), 20 de março de 1959



Visão, 27 de março de 1959
Fonte: Arquivo Público do Estado de São Paulo


Jornal das Moças, 02 de abril de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional



Revista do Rádio, 18 de abril de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional



Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo







  




Suzy King fotografada por Álvaro
Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo

Ainda em março, quando Suzy King já se encontrava em pleno jejum, uma nova nota indicava que as coisas não corriam bem. Ali já parecia claro que ela não levaria a exibição até o fim.



O Globo, 30 de março de 1959
Fonte: Acervo O Globo


O Estado de São Paulo, 31 de março de 1959
Fonte: Acervo Estadão


O Globo, 18 de abril de 1959
Fonte: Acervo O Globo

O jejum, é lógico, não durou os cento e dez dias prometidos. Suzy King jejuava há apenas cinquenta e três dias quando conseguiu deixar a urna.
Não fôra sua primeira tentativa. Dias antes, mandara a empregada incendiar as cortinas da sala de exposição onde sua urna se encontrava, na intenção de fugir durante o tumulto. Fracassara nessa e em outras tentativas, sempre impedida pelos homens encarregados de vigiá-la para que não quebrasse o contrato fechado com a companhia responsável pela exibição.
Dessa feita, quebrou a urna a marteladas e estava à beira de tomar um táxi quando foi surpreendida pelo lutador Nocaute Jack, que mais tarde seria massagista da Seleção Brasileira e era então o responsável por vigiá-la.
Nocaute Jack não hesitou em chamar a polícia e Suzy King teve uma crise de nervos, atirando-se no chão. Com muito esforço, conseguiram tirá-la dali. Suzy King foi levada a um posto médico e depois à Delegacia.
A história lhe rendeu alguma publicidade e depois dela, pouco se ouviu falar de Suzy King.



Registro de ocorrência, antigo 2º Distrito Policial
Fonte: Arquivo da Polícia Civil do Rio de Janeiro







A Notícia, 06 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional





Diário da Noite, 06 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional



Folha da Manhã, 06 de maio de 1959
Fonte: Acervo Folha





O Globo, 06 de maio de 1959
Fonte: Acervo O Globo


Última Hora, 06 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional






Correio da Manhã, 07 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional



Jornal do Brasil, 07 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional







 Luta Democrática, 07 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional






O Dia, 07 de maio de 1959
Fonte: Biblioteca Nacional


O Globo, 13 de maio de 1959
Fonte: Acervo O Globo








Suzy King fotografada por Jair Mavigno
Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo


 




Suzy King fotografada por Ignácio Ferreira
Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário