segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Apresentação


Suzy King, anos 50

Georgina Pires Sampaio iniciou sua carreira artística em 1939, em São Paulo, sob o pseudônimo Diva Rios, cantando sambas e marchas.
Mais tarde, no Rio de Janeiro, seguindo o caminho aberto por Luz del Fuego, passou a se apresentar com cobras em espetáculos de canto e dança em circos e teatros, usando o nome Suzy King.
Anunciada sempre como "bailarina exótica" ou "rival de Luz del Fuego", Georgina seguiu por toda a década de 50 ganhando por diversas vezes manchetes nas primeiras páginas dos jornais, mais pelas confusões que provocava com suas cobras e seu corpo do que por motivos essencialmente artísticos.
Atrevida, não se limitou ao canto e à dança, chegando a escrever uma peça (interditada pelo Serviço de Censura de Diversões Públicas) e se tornando, durante o auge do faquirismo no Brasil, uma faquiresa, o que também lhe rendeu grande publicidade e mais escândalos.
Desapareceu da cena artística, porém, nos anos 60, quando o cenário político do país e a pretensa modernização que visionava sofisticar os gostos do povo brasileiro contribuíram para o fim dos que, como ela, eram artistas do povo - faquires, bailarinas exóticas, vedetes... Todo um mundo de emoções baratas enterrado sob a repressão e novos vícios populares.
Sempre transgressora, partiu para os Estados Unidos no final dos anos 60, passando a viver sob nova identidade - se tornou Jacuí Japurá Sampaio Bailey, dezessete anos mais nova, vindo a falecer em 1985, na Califórnia.

Georgina Pires Sampaio started her very public life in 1939, in São Paulo, Brazil, as Diva Rios, singing sambas and marches.
Later on, following the trail opened by shock-star Luz del Fuego (Fire’s Light) she changed her name to Suzy King and started her peculiar act of singing-and-dancing while holding big pythons around herself.
Georgina had her peak during the 1950s when public fakirism was a craze in the country. She was a multi-media star of sorts when such a term did not exist yet, always making sure newspapers would keep abreast of what she was doing.
She kept her pythons in her own flat in Copacabana having had the neighbours on edge when a python escaped from its cage falling down to its death on the pavement. It was front page news.
Georgina wrote a play that was banned by the authorities. She also tried to emulate Lady Godiva wearing a long blond wig to cover her breasts and riding a horse through the centre of the city. She was almost gang-raped by a mob and was helped by a good soul that passed by.
In the mid 1960s, Georgina suddenly disappeared from the media watch. It may be a coincidence (or not) that Brazil in 1964 entered into a long period of Military Dictatorship and heavy censorship.
Georgina left for the USA in the late 1960s, where she changed her name to Jacuí Japurá Sampaio Bailey. At the same time she decided to lope 17 years off her official age. Georgina died in 1985, in California.


Suzy King quando ainda usava o nome Diva Rios, nos anos 40


Suzy King e seu filho Carlos Sampaio de Araújo, 1959



 Suzy King em fotografias usadas p´ra divulgar seus shows no México no final dos anos 60, quando se apresentava como Jacuí Japurá


Suzy King quando residia nos Estados Unidos, nos anos 70

Em busca de mais informações sobre ela e no papel de resgate de um nome outrora popular e, como tantos, hoje quase que totalmente esquecido, nasceu esse blog - tributo a Suzy King e resultado de um longo trabalho de investigação.
A quem possa interessar falar sobre Suzy King, por interesse em sua figura ou por se lembrar dela, peço que entre em contato comigo pelo e-mail

Alberto de Oliveira
betodec30@yahoo.com.br

E que retorne à luz Suzy King...


Suzy King por Alberto Camarero

Pesquisa: Alberto de Oliveira e Alberto Camarero
Versão original em português: Alberto de Oliveira
Versão traduzida para o inglês: Carlus Maximus


Suzy King é uma das faquiresas focalizadas no livro "Cravo na Carne - Fama e Fome" (acesse também o blog do livro - http://cravonacarnefamaefome.blogspot.com.br/ ), de Alberto de Oliveira, o criador desse blog, e Alberto Camarero.
Trata-se do resultado de extensa pesquisa realizada pelos autores sobre as faquiresas que se exibiram no Brasil entre os anos 20 e 50 do século XX.
"Cravo na Carne - Fama e Fome" foi contemplado pelo Prêmio Carequinha, da Funarte, e foi publicado pela editora Veneta em 2015.
É possível adquiri-lo através dos seguintes sites:



Suzy King canta "Me leva pra lua" (1963) e "Não tenho inveja" (1964)


1917 - 1940

Georgina Pires Sampaio teria nascido, segundo documentos de identidade expedidos em São Paulo e no Rio de Janeiro a partir de 1938, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em 28 de agosto de 1917.
Sua árvore genealógica, porém, aponta p´ra região de Jequié, na Bahia. Foi ali que no início do século XX, Josino Pires Sampaio, seu pai, se casou com Etelvina Ferreira do Nascimento (Etelvina Pires Sampaio ou Etelvina Ferreira Pires), sua mãe.
Além disso, na certidão de nascimento de Carlos, filho de Georgina nascido na rua São Miguel, em Salvador, em 1932, ela se declarou natural da Bahia.
Talvez por erro do cartório, o nome do pai de Georgina aparece nessa certidão como João Pires Sampaio.
Essa certidão, datada de março de 1937, é a referência mais antiga encontrada sobre Georgina, que na época, residia na rua Carlos Gomes, em Salvador.
A partir de 1940, seu filho, registrado em 1937 como Carlos Alberto Sampaio, em certidão na qual não constava o nome de seu pai, seria declarado filho do major baiano Rodolfo Lopes de Araújo, informação cuja veracidade não foi possível comprovar.

Georgina Pires Sampaio’s real place of birth is involved in a hazy shade. There is no birth certificate available. According to Identification Cards issued by the states of São Paulo and Rio de Janeiro as of 1938, she was born in 28 August 1917, in Porto Alegre-RS, a southern capital.
But almost everything related to Georgina in the early days comes from Jequié, in the state of Bahia, in the northern part of Brazil. We suspect Georgina has doctored her original Birth Certificate to have her place-of-birth in Porto Alegre-RS, a rather more glamorous place to be associated with.
Her father, Josino Pires Sampaio married her mother Etelvina Ferreira do Nascimento (later known as Etelvina Pires Sampaio) in Jequié-BA circa 1900.
Georgina gave birth to her only child Carlos Alberto Sampaio in Rua São Miguel in Salvador-BA in 1932, but she only registered the boy five years later in 1937, when she declared Bahia as her native state. The boy’s father is declared unknown.
Maybe due to a clerk’s mistake Georgina’s father appears as João Pires Sampaio in Carlos’s birth certificate which is actually the oldest document related to Georgina, who lived at the time in Rua Carlos Gomes in Salvador-BA.
As of 1940, whenever there is reference to Georgina’s son, the name of major Rodolfo Lopes de Araújo from Bahia crops up as Carlos’s father. But we have strong suspicions to believe it is not true.




A primeira certidão de nascimento de Carlos, filho de Suzy King
Fonte: Cartório do Registro Civil das Pessoas Naturais da Comarca de Salvador, Bahia - Distrito da Sé

Pouco mais de um ano depois, em 28 de agosto de 1938, dia no qual completava vinte e um anos de idade, Georgina embarcou no navio Conte Grande em Salvador, Bahia, tendo viajado sozinha, na segunda classe, e aportado em Santos, São Paulo, no dia 31 de agosto. Na ocasião, seu destino era o hotel Concórdia, na capital do estado.
Algum tempo depois, Georgina voltou à Bahia a bordo do navio Comandante Ripper, que tomara em Santos, tendo desembarcado em Salvador no dia 08 de maio de 1939. Poucos dias depois, Georgina voltou a São Paulo, embarcando no navio Itatinga no dia 11 de maio seguinte e desembarcando em Santos no dia 17 de maio, tendo, dessa vez, viajado na primeira classe.
Sobre as informações prestadas por ela à Lista Geral de Passageiros do navio, é importante lembrar que quando Georgina declarava sua profissão como doméstica, não queria dizer que prestasse serviços domésticos e sim que era o que hoje se declara como "do lar", ou seja - que não tinha profissão.

The fact is that Georgina boards the ship Conte Grande that leaves Salvador-BA in 28 August 1938, bound for Santos-SP.




Lista de embarque do navio Conte Grande (Salvador, 28 de agosto de 1938) 
Fonte: FamilySearch








Lista de desembarque do navio Conte Grande (Santos, 31 de agosto de 1938)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo



Lista de desembarque do navio Comandante Ripper (Salvador, 08 de maio de 1939)
Fonte: FamilySearch
https://familysearch.org/search


Lista de embarque do navio Itatinga (Salvador, 11 de maio de 1939)
Fonte: Arquivo Público do Estado da Bahia




Lista de desembarque do navio Itatinga (Santos, 17 de maio de 1939)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo




Folha da Manhã, 18 de maio de 1939
Fonte: Acervo Folha

Naquela época, a atividade artística em São Paulo era controlada pelo Serviço de Censura e Fiscalização de Teatros e Divertimentos Públicos, que cuidava tanto dos contratos dos artistas com as casas de espetáculos e companhias quanto das carteiras de registro de artista que eram indispensáveis a todos p´ra que pudessem comprovar que exerciam profissionalmente suas habilidades.
A carteira devia ter importância ainda maior às mulheres, que com o registro tinham a chance de atenuar um pouco o risco que corriam de serem confundidas com prostitutas. Risco apenas atenuado, visto que ser artista, profissional ou não, não lhes favorecia em nada na sociedade de então.
As atividades de Georgina em São Paulo nesse período podem ser em parte acompanhadas pelos expedientes do Serviço de Censura publicados diariamente no "Diário Oficial do Estado de São Paulo". Através deles, é possível saber que os esforços de Georgina da sua chegada até meados de 1940 foram em prol de se estabilizar como artista.

In those times, during the so-called 'New State' (Estado Novo) artistic activities were controlled by the State through their Division of Censorship & Supervision of Public Entertainment. They regulated the entertainer’s contracts with theatres, night-clubs etc. and issued an I.D. card bearing the entertainer’s photo and major information about his career.
For female entertainers this I.D. was particularly important for it was a way the government had to tell them apart from common prostitutes.
Due to this meddling of the State into the entertainers’ lives it is possible to follow Georgina’s career through the years reading the archive-collection of the sedate ‘Official Daily’ (Diario Oficial do Estado de São Paulo).



Diário Oficial do Estado de São Paulo, 12 de julho de 1940
Fonte: JusBrasil




Diário Oficial do Estado de São Paulo, 13 de julho de 1940
Fonte: JusBrasil


Diário Oficial do Estado de São Paulo, 09 de agosto de 1940
Fonte: JusBrasil

No dia 30 de setembro de 1940, Georgina, a bordo do navio Aratimbó, aportou em Salvador e em seu retorno a São Paulo, viajando outra vez na primeira classe, a bordo do mesmo navio, tendo embarcado no dia 05 de outubro seguinte e novamente aportando em Santos, em 11 de outubro, trouxe com ela seu filho - Carlos Alberto Sampaio (conforme a lista de embarque) ou Carlos Alberto Araújo (conforme a lista de desembarque), então com sete anos de idade.

One can see that Georgina traveled back to her native Bahia a year later, on board of ship Aratimbó to fetch her son Carlos Alberto Sampaio (according to the passangers’ list) and being back in Santos-SP in 11 October 1940.


Lista de desembarque do navio Aratimbó (Salvador, 30 de setembro de 1940)
Fonte: FamilySearch
https://familysearch.org/search


Lista de embarque do navio Aratimbó (Salvador, 05 de outubro de 1940)
Fonte: Arquivo Público do Estado da Bahia



Lista de desembarque do navio Aratimbó (Santos, 11 de outubro de 1940)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo


Correio Paulistano, 13 de outubro de 1940
Fonte: Biblioteca Nacional

De volta à capital paulista, no dia 17 de outubro, Georgina registrou novamente Carlos em cartório, dessa vez como Carlos Sampaio de Araújo. Nessa segunda certidão, o menino ganhava um pai - Rodolfo Lopes de Araújo. De acordo com ela, Georgina e Rodolfo teriam se casado em Jequié, na Bahia.
Anos mais tarde, Carlos seria apresentado à imprensa por ela como seu irmão de criação e também como seu sobrinho. O verdadeiro parentesco entre os dois nunca foi revelado aos jornais da época. O desenrolar dos fatos deixa claro que a volta de Georgina à Bahia em 1940 foi motivada pela busca de Carlos, que passaria a morar com ela e ficaria sob sua responsabilidade dali em diante.

Her son would reappear later in Georgina’s life bearing the name Carlos Sampaio de Araújo and being introduced as Georgina’s baby brother or sometimes as her nephew.  


A segunda certidão de nascimento de Carlos, filho de Suzy King
Fonte: Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais do 6º Subdistrito - Brás, São Paulo, SP

1941 - 1951

Ainda em 1940, recém-chegada da Bahia, Georgina se apresentou no dancing Danúbio Azul, localizado na praça Princesa Isabel, nº  4, em São Paulo, em 28 de novembro.
O nome usado por ela já era Diva Rios e as outras atrações apresentadas na mesma noite eram Saika Milani, Yolanda de Juno, Miss Tarzan, Tico-Tico e Bentinho, Quarteto Internacional, Ferri, Luiz e Nino e China.


Folha da Noite, 28 de novembro de 1940
Fonte: Acervo Folha

Pouco tempo depois, em 16 janeiro de 1941, Georgina voltava a ser destaque entre as atrações do dancing Danúbio Azul. Anunciada como "Diva Rios, muito apreciada cantora de sambas e marchas", se apresentou entre Yolanda de Juno, Pacheco Filho, Nhô Nardo e Cunha Júnior, Francisco Aguiar, Pororoca, Júlio Moreno, Tatu e Pipoca e Lili, "a menor anã do mundo, com 80 centímetros de altura. Pequena no tamanho e grande na arte, pois canta e baila como gente grande, no seu variadíssimo repertório de sambas e marchas".

Living in São Paulo and calling hereself Diva Rios – a singer of sambas and marches - Georgina is part of a troupe who put on a vaudeville act at the Blue Danube dancing joint. Among her colleagues were Saika Milani, Yolanda de Juno, Miss Tarzan, Tico-Tico & Bentinho, the International Quartet and introducing Lili, the smallest dwarf in the world only 80 cm tall.


Folha da Noite, 16 de janeiro de 1941
Fonte: Acervo Folha

Segundo um documento encontrado no arquivo da Polícia Civil de São Paulo, sem data, provavelmente desse período, no qual Georgina está registrada como bailarina, seu endereço em São Paulo era na rua Aurora, nº 499, onde funcionava o hotel São Carlos.
Ainda no arquivo da Polícia Civil de São Paulo foi encontrada uma ficha datada de 13 de novembro de 1942 na qual Georgina, legitimada como meretriz, declarou à Delegacia de Marília, cidade paulista, o pseudônimo Diva Biussi. Além disso, nessa ficha, sua data de nascimento consta como 17 de agosto de 1917.

Circa 1942, Georgina is spotted in Marília-SP under the pseudonym of Diva Biussi, where she had a run in with the local police.

Em seguida, Georgina se instalou no Rio de Janeiro, na Rua do Rezende, nº 39, e prosseguiu com suas atividades artísticas, se registrando em 02 de abril de 1943 na Delegacia de Costumes e Diversões do Rio de Janeiro.
Sua ficha, encontrada no Arquivo Nacional, aponta, além de suas informações básicas, um único registro profissional - sua contratação pela Empresa Paschoal Segreto para o elenco da opereta "Alvorada do amor", cuja estréia ocorreu em 14 de dezembro de 1944 no Teatro Carlos Gomes. Também digna de nota é a troca oficial do pseudônimo Diva Rios por Suzy King em 23 de outubro de 1953.
No dia 06 de dezembro de 1944, Georgina se matriculou na Casa dos Artistas, que funcionava então como sindicato. Na lista de artistas matriculados nessa instituição, encontrada pela pesquisadora Flávia Ribeiro Veras no Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro, constam o pseudônimo Suzy King, provavelmente adicionado nos anos 50, e a informação de que Georgina foi eliminada do sindicato em 10 de dezembro de 1966.

Soon after, Georgina moves to Rio de Janeiro finding accomodation on Rua do Rezende 39. She would reside in Rio until she left Brazil for good in 1969.
According to the National Archive, Georgina sings and dances in the operetta ‘Love’s dawn’ that opened in 14 December 1944 at Rio’s famous Teatro Carlos Gomes.



Registro de artista de Georgina Pires Sampaio na Delegacia de Costumes e Diversões do Rio de Janeiro
Fonte: Fundo Delegacia de Costumes e Diversões do Rio de Janeiro, Arquivo Nacional


Lista de matrículas da Casa dos Artistas 
Fonte: Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro


Diário da Noite, 14 de dezembro de 1944
Fonte: Biblioteca Nacional

Por essa época, Georgina se transferiu para o nº 87 da mesma Rua do Rezende onde já residia.
E foi quando morava lá que surgiram nos jornais as primeiras notícias escandalosas nas quais se viu envolvida, todas sobre problemas com o senhorio da casa de cômodos que funcionava no local.



A Noite, 27 de setembro de 1945
Fonte: Biblioteca Nacional


Diário de Notícias, 08 de junho de 1946
Fonte: Biblioteca Nacional


O Globo, 10 de junho de 1946
Fonte: Acervo O Globo


Diário de Notícias, 12 de junho de 1946
Fonte: Biblioteca Nacional

No dia 11 de março de 1948, Rodolfo Lopes de Araújo, o suposto pai do filho de Georgina, faleceu em Salvador.


Registro do falecimento de Rodolfo Lopes de Araújo junto à Polícia Militar da Bahia
Fonte: Arquivo da Polícia Militar da Bahia

Como curiosidade, vale dizer que em 21 de dezembro de 1945, Georgina requisitou uma linha telefônica.
Foi atendida somente em dezembro de 1949, quase quatro anos depois.
Naquele tempo era assim...


Diário Oficial da União, 07 de dezembro de 1949
Fonte: JusBrasil